Arquivo mensal: março 2012

em aguardo

não escrevo, não é medo de compreender
é incapacidade
é indiferença
é falta de fé
já não sei concatenar a dor de ser
a dor de crescer
é, a vida não tá dando mole
não reclamo – já perdera esse dom quando acometida
pelos infortúnios pungentes.
não me carpirei
também não mudarei
espero que esteja em aguardo
que retome um dia, ainda que ignore
que ignore e esqueça.
Não é saúdavel, poucas coisas o são.
Sinto falta da poesia, às vezes sinto falta
do tempo de me deleitar em poesia.
Seja culpa minha, mérito meu, ou nada disso,
lamento.

Poema barato -notável pela própria adjetivação.

Eu quero fugir.
Fugir pra onde?
Fugir para um lugar onde as coisas não aconteceram, nada foi criado, nada a ser acompanhado, nada…
E nada não enche também?
É, preciso é disso, me encher de nada, e, então, me esvaziar. Eu preciso é fechar a porta.
E que porta?
A porta que nunca deveria ter sido aberta.
E porque abriu?
Porque precisava deixar alguma coisa entrar, me encher de tudo.
E para que se encher, se queres esvaziar?
Eu não queria, eu não sabia. Achava que enchendo estaria completo, estaria finalizado.
E se encheu de que?
Dessas peças que a vida me prega. Enchi de me carpir, enchi de só desejar, enchi-me de impotência e frustração.
E será que foi mesmo a vida?
Não, fui eu. Fui eu. Mas também me enchi de arcar com minhas responsabilidades. Achar alguém para culpar, e condenar, pronto, esse é o plano.

Sobriedade

Uma lucidez de dar nos nervos; uma complacência com os erros de outrem – a vida o fez assim-; um rigor; uma austeridade; perfeccionismo. Vidinha-de-teto-de-vidro-reluzente. ‘o que tem que fazer, já está feito’, dizia, e era assim. Ordem dada é ordem cumprida, fazia assim.
História para os netos? Nada além do dia em que a polícia me parou, mas estava tudo certo. Certo, sempre certo. Sempre sóbrio.
Sempre atendendo expectativas. Um verdadeiro saco.
Esse era ele.O super-ego sempre no domínio.
E era ele, sempre no lugar certo, do jeito certo. Quando errava, logo o perdão, porque era erro honesto, escusável.